SEMENTES FLORESTAIS BRASILEIRAS
Pieter W. Prange*

Uma das decisões mais importantes para a evolução da qualidade e da produtividade das novas florestas brasileiras plantadas, foi tomada, no passado, pelo órgão que cuidava e regulamentava as atividades florestais no país, o IBDF, cujas funções são atualmente do IBAMA. Essa decisão foi a criação e a nomeação, em Maio de 1977, de uma Comissão de técnicos de alto nível, oriundos das iniciativas pública e privada. A comissão era coordenada pelo então Diretor de Recursos Florestais do IBDF, Walter Suiter Filho, e secretariada por Airton Sampaio, também do IBDF. Foi constituída pela Portaria Normativa 10-DR de 13 de Maio de 1977, com a função de orientar, estimular, qualificar e cadastrar as melhores áreas produtoras de sementes do país. A Comissão era composta por Geraldo Spletz, Arno Brune, Mário Ferreira e Pieter W. Prange além dos membros natos do IBDF.

Durante cerca de 5 anos esta Comissão estimulou, analisou, recomendou, homologou, atestou e registrou as mais importantes e melhores áreas de produção de sementes florestais disponiveis no País, principalmente de Eucalyptus e Pinus (as mais demandadas), localizadas nos mais diversos Estados brasileiros. Assim deu um passo importante para o reconhecimento e divulgação dessas importantes fontes de sementes florestais. Essas boas fontes, devidamente reconhecidas e divulgadas vieram a se constituir a base principal para as melhorias das novas florestas implantadas a partir de sementes e que muito contribuíram para elevar a qualidade e produtividade das mesmas. Sem isso, os próximos passos, via multiplicação vegetativa, não teriam tido o sucesso que estão tendo .para assegurar elevadas produtividades e o abastecimento das empresas consumidoras de madeira e seus demais produtos.

* Consultor Florestal